Dificuldade

O modo como as pessoas tratam o tema dificuldade me estimula a refletir. Dificuldade é importante?

Um ponto de vista que acho interessante é o do Bjarne Stroustrup, que divide complexidade, uma característica que é difícil de tratar, logo relacionado a dificuldade, em duas categorias, complexidade essencial e complexidade acidental:

“There are two kinds of complexity […] there are problems that are hard. There are problems that are complicated and you can’t reduce that […] but basically we have to figure it out what is the real problem, what is the real way of doing it, what is the simplest solution to the problem […] but a lot of complexity is introduced by the way we express our solutions”, Bjarne Stroustrup durante a palestra “Make Simple Tasks Simple!“, apresentada no CppCon 2014, ao argumentar sobre a diferença entre complexidade essencial e complexidade acidental

Basicamente, ele argumenta que a complexidade existe, ou da própria natureza do problema, que é difícil, ou pela forma que nós tratamos o problema. Ele chama a complexidade que não pode ser removida de complexidade essencial e a complexidade que nós introduzimos e é independente do problema de complexidade acidental.

Interajo com algumas pessoas que possuem a crença de que mais dificuldade implica em maior aprendizado. Seguindo essa filosofia (ou talvez tendo outros motivos), há professores que adicionam obstáculos (a complexidade acidental do Bjarne) para tornar a experiência de aula mais difícil, o que acaba tornando todo o processo mais ineficiente e deixando aquele gostinho de “desperdício de recursos”. Um exemplo dessa complexidade acidental é a distância que se cria entre o professor e o aluno, impedindo que o aluno descubra o porquê de ele estar errado, e desperdiçando a oportunidade que ele teria de aprender com o erro.

Há também os programadores que acreditam que, ao se programar em alto nível, diminuindo a dificuldade de desenvolver a solução, sua solução imediatamente torna-se menos performática. Essa é outra relação equivocada que vejo por aí. Uma referência legal em relação a esse ponto de vista é o comentário do JuciÊ na lista de C/C++ Brasil.

Um sentimento ruim de insatisfação surge em mim quando surge uma situação em que minha vida é tornada mais difícil sem que haja algum motivo digno. Bom, essa reflexão acaba por aqui.

Tags:

Comentários (with MarkDown support)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: